30 de janeiro de 2011

Morte no Estádio

20 de Abril de 1972

No dia, 20 de Abril de 1972 e quando nada o fazia prever deu-se a mais trágica situação ocorrida no Estádio do Varzim S.C.
Para esse dia estava marcado um treino de conjunto com o Tirsense, e apesar do mesmo ter começado com uma péssima notícia para o plantel Varzinista, com a fractura da perna esqueda do jovem atleta Chico, quando este efectuava um remate á baliza, o treino recorria normalmente com uma grande exibição da equipa poveira, que á passagem da meia hora já vencia por 3 x 0.

O vasto número de espectadores que se deslocaram para vislumbrar o treino, estavam satisfeitíssimos com a demonstração de grande classe da sua equipa e conversavam animadamente sobre as contigencias que marcaram o dia a dia do clube, quando ao minuto 36, e sem que nada o fizesse prever deu-se a tragédia, o jogador Rico, uma das pedras base da equipa, ao caminhar com a bola sem ninguém a estrovar-lhe a acção, caiu fulminado.

Desde logo um enorme sentimento de terror e preocupação inundou todo o estádio sobre a inusitada situação ocorrida sendo o atleta prontamente socorrido, primeiro pelo massagista do Tirsense, depois pelo do Varzim bem pelos seus colegas e adversários que aterrorizados pela cena presenciada tudo faziam para tentar colaborar. Imediatamente o atleta foi transportado ao hospital da Póvoa de Varzim pelo seu colega de equipa Gomes, mas infelizmente e quando lá chegou o médico de serviço, Dr. Alberto Moreira, não teve outro remédio senão confirmar que o atleta estava morto.

Não mais prosseguiu o treino, porque a comoção e tristeza apoderou-se de todos os jogadores, treinadores e elevado número de espectadores que presenciavam o mesmo.

As circunstâncias pouco vulgares que originaram este trágico acidente, apaixonou a opinião pública e desde logo alimentaram as mais variadas especulações, criando um clima de suspeição que muito desagradava e revoltava todos aqueles que tiveram o previlegio de privar com o jogador. Perante esta situação, e para a defesa da honra do malogrado atleta, o presidente da direcção Dr. João Pontes Fernando pediu para se realizar a autopsia que viria a concluir que a morte do atleta foi provocada por uma congestão cerebral, ficando deste modo dissipadas todas as dúvidas.

O seu funeral simbólico realizado na Póvoa de Varzim foi uma enorme parada de dor, que reuniu toda uma comunidade em redor do atleta, sendo posteriormente o seu corpo transladado para Luanda como era o desejo da família.

José Duarte "RICO" era natural de Luanda (Angola), onde nasceu a 7 de Maio de 1940.
Em 1964 a convite do F.C Porto veio para Portugal, transitando em 1966 para o Barreirense onde apenas teve uma época. Em 67/68 ingressou no Varzim, clube que representou com grande brilhantismo, até que a morte o apanhou no campo de luta, numa altura em que estava a dias de contrair, matrimónio e tinha passagem comprada para em Agosto desse ano passar uma temporada na sua terra Natal, onde nunca mais tinha ido depois de a ter abandonado para tentar a sua sorte no futebol portugês, mas infelizmente o destino assim não quis.

4 comentários:

Miguel disse...

Bom artigo e tenho pena que tal tenha acontecido.


Já decorre nova votação no nosso site.Desta vez perguntamos qual é o jogador que mais o tem surpreendido esta época e contamos com o seu voto pa nos ajudar a chegar aos 250.

http://imperiofutebolistico.blogspot.com/

Anónimo disse...

R-I-P RICO :'(

ULTRAS FURIA VERDE RIO AVE 2010 disse...

Opa apesar de ser RioAvista e grande Rival do Varzim esta história toqoume mesmo cá dentro, deve ser muito doloroso ver um jogador fundamental da eqipa partir de um momento para o outro.
Os meus sentimentos em Nome da Furia Verde.
Descansa em Paz Rico :'(

Anónimo disse...

Quem, desse tempo, não se recorda da imagem de "marca" do Rico? Passeando nas ruas da Póvoa, principalmente a Junqueira onde era visita frequente do Festas "Alfaiate", sempre com o seu molhe de chaves a cintilar na mão, irradiando sorrisos a toda a malta, principalmente a miudagem que o adorava.
Enquanto júnior, ainda tive a felicidade de realizar uns treinos de conjunto contra ele.
Partiu prematuramente.
Ric, onde estejas, um abração.