20 de fevereiro de 2013

"Estamos de alma e coração no clube"

José Augusto
 José Augusto tem 49 anos, como treinador tem em seu currículo passagens por alguns clubes, assim como o Aliados de Lordelo, Famalicão e Lousada. Assumiu à 13ª jornada o comando técnico do Varzim, um clube que conhece bem, visto que, vestiu a camisola alvi-negra em 92/93.
 Neste ainda pequeno percurso ao leme da lancha poveira, com apenas sete jogos efetuados, ainda não conheceu o sabor da vitória, algo que gostaria de ver invertido o mais rapidamente possível, e quem sabe, já no próximo domingo frente ao penúltimo classificado.
 Nesta entrevista ao nosso blog, o mister José Augusto fala-nos da sua vinda para o Varzim, do atual momento da equipa, e do jogo do próximo domingo frente ao Infesta.

 Como reagiu quando recebeu o convite para treinar o Varzim, um histórico do futebol português e, que, inclusive, já foi jogador?
 Com alegria e sentido de responsabilidade por poder voltar a um grande clube, que representei como jogador e que me diz muito, porque é o clube de toda a minha família, que profissionalmente me dá oportunidade de dar continuidade aos bons trabalhos que efetuei em todas as equipas que treinei e dar mais um passo nos meus objetivos de carreira que passam por chegar ao mais alto nível do futebol.

 Desde que assumiu o comando técnico do Varzim, ainda não conquistou qualquer vitória. O que tem faltado à nossa equipa, para estar assim dez jogos sem vencer (sete, desde que assumiu o comando técnico)?
 Para além da qualidade das equipas que defrontamos, lembro que nestes últimos jogos jogamos contra 3 dos primeiros 4 classificados, faltou-nos em determinados momentos dos jogos alguma experiência que nos permitisse não cometer os erros que nos foram fatais, porque durante os 90’ conseguimos na maioria das vezes controlar o adversário e até ser-lhes superior, excepto nos detalhes que nos fizeram desperdiçar vários pontos.

Miguel Campos - José Augusto - Lito
 Acha que a saída de alguns atletas, e o plano de reestruturação, foram prejudiciais para a equipa?
 O Varzim tem um rumo, bem definido pela Direção, Diretor Desportivo e Equipa Técnica, que passa pela criação de credibilidade e estabilidade do clube nesta época, e por uma aposta na subida de divisão na próxima época, que permita ao Varzim, passo a passo retomar o seu devido lugar no futebol nacional, sempre dentro dos limites financeiros do clube. Por isso foi efetuada uma redução significativa no orçamento e uma grande alteração no plantel, que naturalmente não beneficiou a equipa porque mexeu com o equilíbrio do grupo. A ideia é escolher bem para que estas situações no futuro não aconteçam, e o plantel possa ter estabilidade para trabalhar em exigência máxima, seja competitivo e com um forte espírito de equipa em que o objetivo e pensamento, seja só no Varzim.

 A entrada do trio Sul Americano vem dar mais soluções ao plantel. Esses três atletas tem dado boas indicações nos treinos?
 Os 3 jogadores sul-americanos são jovens, com ambição, que nos treinos tem demonstrado ter boa qualidade, com muita margem de progressão, que podem ser importantes em determinados jogos, mas que necessitam de tempo para se integrarem, conhecerem os colegas, os nossos métodos e poderem ajudar o Varzim. Mas que vieram dar outra competição interna ao grupo e equilibrar o plantel não há dúvidas.

 Esta onda de resultados menos positivos tem criado alguma preocupação na massa associativa. Acredita que a equipa é capaz de dar uma "sapatada" nesta crise e quebrar a malatapa?
 A equipa tem demonstrado confiança e qualidade para dar a volta a estes maus resultados. Estamos à procura de uma vitória para estabilizar e fazer com que os jogadores acreditem mais no seu potencial. Penso que nos 7 jogos que estamos à frente do clube merecemos em vários deles essa vitória e estamos empenhados e a treinar bem para que ela chegue o mais rápido possível, para depois fazermos uma 2ª volta de acordo com a qualidade do plantel e que dignifique um clube da grandiosidade do Varzim.

 No próximo domingo, o Varzim desloca-se ao terreno do penúltimo classificado, o Infesta. Acha que vai ser desta que o Varzim vai regressar ás vitórias, e deixar para trás este ciclo de resultados menos favoráveis? Que perspectiva tem para esse encontro?
 O jogo com o Infesta é mais um jogo complicado, que irá ser jogado num campo de relva artificial. Estamos à espera de dificuldades derivado ao campo e porque o adversário precisa de pontos, mas também estamos à espera de dar continuidade ao crescimento da equipa, de fazer um grande jogo, ultrapassar as inúmeras dificuldades que o Infesta irá apresentar e oferecer a vitória aos nossos adeptos.

 Quer deixar uma mensagem aos adeptos?
 Quero pedir aos verdadeiros adeptos varzinistas que apoiem a equipa, percebam as dificuldades do momento atual do clube e que acreditem que esta equipa técnica e este plantel está de alma e coração no clube e a trabalhar bem para que os bons resultados apareçam e que para que isso aconteça a sua ajuda é fundamental.

1 comentário:

joao pedro rodrigues disse...

O meu amigo e o seu primo...presidente, gostava que me explicassem como podem achar que está tudo bem vejamos, se bem me lembro a equipa na 12 jornada com o Octávio e o joão Mota tinha 17 pontos o que dá uma méida de 1,416 pontos por jogo, ora agora temos 7 jogos 5 pontos... média brilhante de 0,714 parabens estamos com menos de 50%, a qualidade de jogo não melhorou ...continuo sem perceber o motivo desta mudança.