4 de junho de 2010

Fui convidado para Presidente do Varzim

Virgílio Constantino, ainda presidente do Conselho Fiscal do clube, tece vários reparos relativamente á gestão de Lopes de Castro. Pessoalmente afirma nada ter contra o actual presidente da direcção, apenas refere que este nos últimos tempos passeou a vida do clube com os papéis debaixo do braço. Constantino confirma o convite para ser presidente do Varzim, quando o actual presidente em Janeiro deste ano, não pretendia continuar.

No seu entender correu bem a ultima reunião do Conselho Varzinista?


Apenas pecou por falta de tempo para serem discutidos com profundidade, os problemas sérios que o clube tem. Julgo que a data não foi a mais recomendável, e o horário não foi bem escolhido. Houve que interromper a reunião, para se assistir a um evento que ia decorrer na televisão, para depois se recomeçar. Além disso, deviam estar todos os Conselheiros, de maneira a ouvir a opinião das pessoas que já passaram pelo clube, que tem uma grande experiência de dirigismo, e podiam dar um forte contributo para a resolução de alguns problemas e a encontrar um novo rumo para o Varzim. Portanto do meu ponto de vista, não houve tempo para se discutir os verdadeiros problemas. Direi que não correndo mal, foi uma reunião inconclusiva.

Já assistiu a reuniões melhores?

Estive presente em outras, sem que os temas, sendo muito parecidos, do ponto de vista organizacionais de disciplina de funcionamento, correram melhor e tiveram melhor participação. Foram escutadas as vozes mais conhecedoras do fenómeno do futebol e do Varzim.

Uma dessas foi a antepenúltima?

Foi. Nessa reunião por volta do início do ano, foram discutidos assuntos com grande profundidade e onde se deu toda a autonomia, para que a actual direcção tivesse todo o espaço para gerir o clube, até ao final do mandato, procurando arrumar a casa e disciplinar os problemas que tinha em mãos.
Essa foi do meu ponto de vista, das melhores reuniões em que houve naturalmente mais qualidade.

"A sensação com que fiquei ao longo deste tempo é que Lopes de Castro passeou a vida do clube com os papeis debaixo do braço"

Mantém as críticas ou os reparos á gestão de Lopes de Castro?

Continuo a manter. Não seria coerente se não o fizesse.

Mas não é normal um orgão directivo criticar a gestão do outro?

As crítica que faço, se assim se podem considerar, são meras observações que contém em si mesmo, alguns reparos tendo em conta corrigir erros e naturalmente aponta caminhos que a meu vêr, tem uma vertente positiva e construtiva. Dizer mal por dizer, é chamar atenção de uma forma muito própria, reflectindo uma mudança de gestão financeira de recursos e de tudo aquilo que faz parte da vida diária do clube.

Em que é que o Lopes de Castro tem errado?

Com todo o respeito, não tenho nada contra ele como pessoa.
Como presidente do Varzim tenho algumas críticas a fazer da forma como geriu o clube em determinados momentos. A sensação com que fiquei ao longo deste tempo é que Lopes de Castro passeou a vida do clube com os papéis debaixo do braço. Não s pode criticar as direcções anteriores pelos erros que cometeram, para se voltar a cometer os mesmos erros. É exactamente este o aspecto que me distancia de Lopes de Castro.

"Basta olhar para os relatórios e para as contas que o clube apresenta, para se perceber que no figurino actual, em que o clube está apoiado, não tem viabilidade económica"

Então o que faria para mudar?

É preciso reformular tudo. Diria que é preciso começar do zero. É preciso inventariar tudo aquilo que o clube tem. É preciso olhar com grande disciplina, rigor e equilíbrio para a capacidade do Varzim gerar receitas, de forma a esquematizar os custos do funcionamento e da sua estrutura, colocando em prática um plano de trabalho, para que possa chegar ao fim do exercício e da época futebolística, com um equilíbrio de contas. É preciso repensar a vida do clube, alterar funcionalidades e recursos humanas e rentabilizar o património, que já não é muito infelizmente, e não enveredar por obras megalómanas que estão hoje em moda, e perder recursos que são tão parcos.

Quando diz obras megalómanas, refere-se ao novo estádio?

Creio que essa questão deve ser repensada.

Mas o processo é irreversível?

É mas é preciso perceber que no futuro, toda aquela estrutura terá o custo da conservação e manutenção e da utilização. É preciso saber como tudo isso irá ser feito. Não conheço nenhum estudo, nenhuma ideia, nenhum relatório, nem nenhuma intenção. De maneira que não conhecendo nada, não posso admitir que sendo irreversível a construção do estádio, como é que depois será conservado e mantido. Será que vamos admitir aquilo que se tem passado com os estádio do Euro 2004. Deixo a questão em aberto.

Entende que nesta altura o clube é viável?

Obviamente que não. Dentro do actual modelo e que está implementado não tem viabilidade. Basta olhar para os relatórios e para as contas que o clube apresenta, para se perceber que no figurino actual, em que o clube está apoiado, não tem viabilidade económica. O clube tem que descer á terra e ter uma gestão ajustada aos recursos que consegue captar e apoios financeiros.

Onde acha que podia cortar mais nas despesas?

A primeira seria na redução dos custos do plantel. É por aqui que tem de se começar. A Liga impõe que o custo do plantal tenha uma determinada percentagem em função da receita. O resto por ajustamentos dentro da vida do clube, como os recursos humanos, rentabilizando melhor o espaço, o tempo e as pessoas. Portanto, há que fazer um trabalho interno de observação, tendo em conta que esses recursos têm que ser reduzidos. O clube não vai ter que necessitar de tantos funcionários como tem, porque não tendo receitas para pagar a toda a gente durante meses, não irá conseguir pagar os vencimentos. Há que resolver estas situações, de modo a haver equilíbrio económico.

Não considera que são críticas demasiado severas para a gestão do clube?

Não estou a ser crítico nem corrosivo. Estou a deixar motivos para que a direcção possa reflectir sobre o que se diz. São apontamentos construtivos para que a futura Comissão Administrativa, possa fazer um trabalho de base zero, para depois obter receitas. Se o Varzim tiver que atravessar o deserto em determinados aspectos, que o faça mas que saiba honrar os pergaminhos o nome Póvoa e cidade.

Já foi alguma vez convidado para ser presidente do Varzim?

Isso é verdade e não posso negar. Fui convidado a assumir a presidência do clube e isso esteve muito perto de acontecer. Só não aconteceu. Só não aconteceu, porque não conseguiamos a vida interna do clube, e a sua dimensão financeira. No início deste ano, o que era conhecido eram uns valores de meses de Agosto e Setembro. Ninguém de boa fé se metia numa empreitada destas, sem resultados em cima da mesa. Se isso acontecesse, seria um suicido completo. é que para ficar mal na praça pública, preferi deixar que a direcção pudesse guiar o clube até ao final do campeonato, sem perturbação, com tranquilidade, sem interferências e comentários na praça pública. Foi o que fiz.

E no futuro?

Sou poveiro de alma e coração. Tenho toda a família ligada á vida do clube desde a fundação, e não posso dissociar-me disto.Não sou daqueles sócios que aparecem e desaparecem. Sou alguém que te sangue poveiro, tem as origens na terra que me viu nascer e portanto nunca direi não. É um desafio que eventualmente me possa ser colocado.

in Póvoa Semanário

6 comentários:

Anónimo disse...

Espero bem que o Sr. Virgilio, se assim o entender, assuma os destinos do clube, mas pior do que uma direcção culpar a anterior, é o actual presidente do conselho fiscal não estar a par das contas do clube seja em que altura do ano for!! O indicador não augura nada de bom!

Preto No Branco disse...

Sinceramente, estou farto de discursos de putativos presidentes. E já é a segunda vez que o Sr. Virgílio Constantino (com todo o respeito que tenho por ele como varzinista) se prontifica a criticar o consulado de Lopes de Castro, dando a entender que poderá avançar com um projecto para liderar o Varzim. Pena é que, na hora da verdade, não avance. E nesta entrevista concedida ao Póvoa Semanário volta a aludir a esse cenário. Espero que seja desta. O nosso clube precisa de uma pessoa determinada e com consciência de gestor rigoroso. Virgílio Constantino enquadra-se, em minha opinião, nesse perfil.
E depois, temos o Dr. Macedo Vieira (querido por muitos para liderar o nosso clube) que fala, fala, fala (espeta uma facadinha nesta direcção) e fala, fala, fala... e espremido? NADA! Confesso que ainda fiquei convencido que ele estaria disponível para comandar a nau quando, no final do jogo que ditou a nossa manutenção, dizia (em registo de candidato a candidato) que era preciso preparar a próxima época com juízo. Em observância às recentes intervenções do nosso edil, que já disse que muito tinha feito em prol do desenvolvimento da terra - ponderando, por isso, abandonar a câmara a meio do mandato - era expectável que aparecesse como o salvador do nosso Varzim. Cenário que nem me desagradaria de todo. Mas, uma vez mais, é tudo no plano das boas intenções e da boca cheia de promessas vãs.
Aos notáveis desta terra, aos varzinistas de crédito tão apregoado (e, quantas vezes, tão pouco praticado), um apelo: ASSUMAM-SE PORRA!

Golo disse...

anonimo muito bem dito

Anónimo disse...

Em vez de mandarem "bocas"uns aos outros a ver quem esta certo,unem-se e assim é mais facil.

Anónimo disse...

ao primeiro anónimo...contas? quais contas? quando foram pedidas havia uns simples papeis de há uns meses atrás...está tudo na entrevista. leiam primeiro e depois comentem e tirem as conclusões. vejam se percebem o que o sr. Virgilio quis dizer quando foi convidado para assumir o lugar. luis oliveira ganhou fama pelas contas de merceeiro. e este se calhar são contas à moda do porto...perdão da póvoa e do varzim. um associado a caminho do mundial

Anónimo disse...

Verdade seja dita que tanto Oliveira como Lopes de Castro enterraram o Varzim so que um com resultados desportivos o outro nem com isso fala se muito mas so eles la dentro é que realmente sabem o que se passa ja ouvi cada historia que nao entra na cabeça do ser humano nao falo mal de ninguem o que eu quero é que o varzim se mantenha nos campeonatos profissionais ja nao sonho com mais nada o que vier por acrescimo sera festejado como o jogo do covilha que os associados ate ficaram parvos ...


FORÇA VARZIM
CARREGATE A TI PROPRIO ERGUETE SOZINHO NOVAMENTE .